Vale Calchaquíes

Desfiladeiros e Colinas Multicoloridas

Mais conhecido por suas cores e formações rochosas, o Vale do Calchaquíes está no noroeste de Argentina. É uma área imensa que se estende por várias províncias Tucumán, Salta, Jujuy e Catamarca. Com paisagens incríveis e muita história para contar.  Aqui nos concentraremos na parte de Tucumán que apresenta uma variedade de ruínas arqueológicas dignas de se conhecer.

E para que não tenha nenhuma dúvida se deve colocar este destino com um lugar para conhecer na Argentina, nós iremos contar em este post, sobre uma das áreas mais lindas desse incrível país. Sendo que, esta beleza está relaciona a seu valor histórico, arqueológico, cultura e gastronômico.

Ademais, esse circuito tem uma totalidade de 520 km. Possui várias montanhas que vão de norte até o sul de todo o noroeste argentino. Destaca-se lugares imperdíveis como Amaicha del Valle, as Ruínas de Quilmes, Ruínas La Ciudacita, entre outras que iremos mostrar.

Siga com a leitura e esperamos te surpreender.

Como chegar

Estrada para o Vale Calchaquies
Quebrada de las Conhas – Vale Calchaquíes. Foto de: julien_martial

São vários os caminhos que te levam ao Vale. Aqui decidimos mostrar   o circuito de Vale Calchaquíes a partir da capital da província de Tucumán, San Miguel de Tucumán. Aqui começa um trajeto de paisagens e valores culturais que são únicos.

San Miguel de Tucumán está 1200 quilômetros da Capital Federal, Buenos Aires. Para chegar a esta cidade, você pode fazer de ônibus, carro ou avião. Sem dúvida alguma que o transporte aéreo é o mais rápido. O Aeroporto Internacional “Tte Benjamín Matienzo” tem voos diários de Buenos Aires e semanais de outras capitais do país.  Também, Argentina possui várias empresas de transporte interestaduais como ônibus que oferecem diferentes serviços: convencional, executivo e leito. Estes serviços são bem superiores aos ofertados no Brasil.

A partir de San Miguel de Tucumán, sem dúvida alguma que o melhor meio de conhecer o vale é por excursões ou carro próprio. Sendo assim, em algumas áreas será necessário caminhonetes 4×4.

Quando ir

As condições climáticas do Vale Calchaquíes são adversas e depende muito da área geográfica. Ademais, a presença de montanhas e vales desérticos marcam as passagens dos ventos e, ainda, definem a variedade de vegetação. Contudo a maior parte do tempo, quase 360 dias do ano são ensolarados. Portanto, qualquer época é ótima para visitar este paraíso argentino.

Alguns lugares que você não pode deixar de conhecer

O Vale Calchaquíes demarca a história primitiva argentina. Por isso o converte em um lugar para os amantes da arqueologia e ainda aqueles que buscam lugares onde a aventura faz parte do cenário local. Assim que essa zona se constitui em um cenário de diferentes tradições, culturas, etnias. Em alguns momentos a sensação do visitante é de um retorno ao mundo de uma rica herança de diferentes sítios arqueológicos que atraem a todos.

Ruinas La Ciudacita

Ruinas de La Ciudacita.
La ciudacita. Foto de: https://aamtuc.org/2018/10/01/la-ciudacita-26-09-al-1-10-18/

Também conhecidos como “Ruinas de Pueblo Viejo” este sitio arqueológico guarda diferentes secretos da civilização Inca. Além disso, esta área faz parte do “Caminho dos Incas” que vai da Argentina até Peru (5.200 Km).

La Ciudacita está a 150 km de San Miguel de Tucumán. Faz parte do Parque Nacional Los Alisos. A visita somente poderá ser feita por guias experientes.

Essas Ruínas consistem em construções realizadas em forma de escadas, onde se vê uma espécie de recinto de cerimônia. O que impressiona é o tamanho desta obra  e a qualidade pela qual foi feita. De fato, foram construídas de pedras de cor cinza.

Caminhando um pouco mais, se pode conhecer o Portezuelo de Los Campos Colorados, que é como um portal de entrada todo em pedra.

Dessa maneira, este lugar além do seu valor histórico. Está localizado a 4200 metros do nível do mar, em um lugar de paisagem espetacular. Os passeios em geral são realizados em excursões de 4×4. Em algumas partes em mulas e outras caminhando. Portanto, é um caminho único de contato com a natureza e com povos primitivos.

Entretanto, é bom saber que este é um lugar para atividades de montanhismo. Assim sendo, os visitantes devem estar preparados com roupas cômodas para isso.

Ruinas de Condorhuasi

Ruínas de Condorhuasi.
Ruínas de Condorhuasi. Foto de: https://www.tucumanturismo.gob.ar/sitios-arqueologicos/19/55/ruinas-de-condorhuasi

Estão situadas na localidade de Colalao del Valle, especificamente em El Pichao. Este foi um esconderijo dos indígenas de Quilmes, fugidos dos espanhóis em 1667.  Está situado a 198 km da capital de Tucumán.

Contudo, achados arqueológicos demonstraram que anteriormente entre os anos de 1000 e 1600, este lugar esteve ocupado por indígenas que se dedicavam a atividades agropecuárias.

Todavia, o que se pode recorrer, nas ruínas é a parte dos terraços, que possuem obras de irrigação e algumas casas de pedras. Os estudos arqueológicos destacam a povos originários que usavam de diferentes técnicas para organização da vida social.

Isso, também é percebido nos cemitérios, onde o visitante pode ver como eram realizados os enterros de adultos, que erram coberto por pedra plana, ao contrário das crianças que eram sepultados em vasos de cerâmicas.

Recomenda-se que a visita as ruínas seja realizada com os guias locais. A experiencia é impactante, sobretudo como esses guias relatam sobre a cultura indígena local.

El Pichao

El Pichao. Foto de: claracisterna

Especificamente esta pequena aldeia que guarda muito da cultura Condorhuasi é um lindo lugar para conhecer. O próprio nome “El Pichao”, que em quéchua significa limpo e tranquilo se expressa nos nativos e em produções artesanais e agrícola.

Igualmente, um ótimo lugar para diferentes frutas, como tuna, membrillo, bem como as geleias caseiras de tais frutas, também de pêssegos, figos, maçãs. Bem como, as mantas feitas em teares com suas cores peculiares, chamam a atenção dos visitantes.

Vale ainda contar sobre a grande festa que é realizada nos meses de janeiro e fevereiro, “Fiesta de Los Dulces Regionales” com espetáculos folclóricos da região e nacionais.

Amaicha del Valle

Museo de la Pachamama. Foto de: CarlosA.Barrio

Inegavelmente, este é um dos lugares mais lindos do Vale Calchaquíes, não apenas por sua paisagem privilegiada, como também por ser um dos lugares do mundo com melhor microclima. Amaicha del Valle está a 200 metros do nível do mar e as temperaturas em geral são de 20º C durante todo ano. Em realidade, são 360 dias de sol, onde o turista pode desfrutar de várias aventuras.

Agrega-se a tudo isso a história e o acervo arqueológico, juntamente com a tradição e cultura de seus moradores. Você não pode conhecer o Vale sem ter passado um tempinho em Amaicha del Valle.

A cidade está localizada a 164 km de San Miguel de Tucumán e espera a seus visitantes com diferentes atividades relacionadas a arqueologia, a vitivinicultura, aventura, religião, entre outras.

Dessa maneira indicamos conhecer o Museu da Pächamana, que abriga vários objetos da cultura Diaguita-Calchaqui. Também a Virgen Tallada en Madera, que é uma escultura de Nossa Senhora inclinada de autoria do alemão de Ludwig Shumacher. O artista tem várias obras similares em Europa e Estados Unidos.

Certamente não pode deixar de visitar a Bodega Comunitária Los Amaichas. Pertencem a comunidades indígenas da Unión Diaguita. A marca de vinhos malbec comercializados se chama Sumak Kawsay que significa “Buen vivir”. Ademais, ela é primeira da América do Sul e terceira no mundo. Ressalta-se que este é o único lugar onde se pode comprar e saborear um vinho carregado de valores ancestrais.

Aventura em   Amaicha del Valle

Se você é amante de uma boa aventura pode desfrutar das atividades realizadas em excussões em 4×4 pelo Deserto de Tiu Punco. Aliás, poderá aproveitar a beleza do Dique Los Zazos e das cachoeiras “Del Remate”. Ainda estão “Las Salinas”, uma aventura incrível e um lugar ideal para tirar aquelas fotos impressionantes.

Ruinas Quilmes – Cidade Sagrada

Antigas construções Incas - Quilmes
Ruínas Quielmes. Foto de: https://www.elparana.com/valles-calchaquies-en-tucuman/

De acordo com dados arqueológicos, desde o ano de 800 d.c, se encontram vestígios da cultura Quilmes nessa região, sendo considerado com um dos primeiros assentamentos pré-hispânicos. Inegavelmente, este lugar que impressiona por sua história e sua paisagem espetacular.

Decerto, adentrar-se a história dos Quilmes é aprender sobre um povo indígena que conseguiu um grande desenvolvimento social, tecnológico e econômico em pleno século XVII. Todavia, as técnicas de irrigação e cultivo, ainda continuam surpreendendo a estudiosos do tema.

Dessa maneira, os visitantes são conduzidos pelos guias locais a histórias de como esta cidade foi construída como uma fortaleza de modo que os inimigos ficassem de longe confundidos ao não alcançarem ver as casas.

Ainda versam sobre as separações por classes sociais, e o sacrifício dos mais inteligentes e bonitos para o crescimento dessa sociedade. Além disso, é possível conhecer sobre o avanço espanhol e a resistência indígena, como foram transferidos a pé até Buenos Aires, especificamente a região batizada com o mesmo nome (Quilmes), saíram 1700 sobreviventes da guerra contra os espanhóis e chegaram a Capital apenas 400 deles.

Esses relatos impressionam aos turistas enquanto caminham em meio de construções de pedras, tendo ao fundo a beleza das serras, chamado Cordón Calchaqui.

Para chegar a Cidade Sagrada, se pode fazer via excursão ou carro particular. As ruínas estão a 182 km de San Miguel de Tucumán.

Ampimpa

Ampimpa. Foto de: Jlazarte

Ampimpa está a 151,9 km de San Miguel de Tucumán e 10 km de Amaicha del Valle. Este lugarejo chama atenção turísticas não somente por panorâmica, como por principalmente, pelo Observatório Astronômico, mais conhecida como “Una ventana al universo”.

Em verdade o que ocorre é que Ampimpa é considerada o lugar do céu sem nuvens, uma vez que não chove quase nunca e isso favorece as observações astronômicas.

O lugar pode ser visitado. No entanto, sempre pedem que liguem antes para agendar a visita. Ademais a experiencia pode ser ainda melhor se você puder passar uma noite na cidade. Os passeios noturnos são uma vivência ímpar. Você irá adorar.

Onde comer

Foto do interior do restaurante Warmy Sonkoy
Warmy Sonkoy. Foto de: Hernan – Airbnb.

Assim, neste post deixamos como sugestão restaurantes em Amiacha del Valle: Parrillada La Termeña, Warmy Sonkoy e Posta Cultural Terramama.

Dica => Acomodações em San Miguel de Tucumán

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *